Descubra, Prog Rock, Rock Latinoamericano

Descubra: Color Humano, um tesouro argentino

Color+Humano

Está no ar mais um post da série Descubra, onde a cada semana temos aqui uma breve apresentação de um artista ou grupo contemporâneo e não muito conhecido pelo grande público. Hoje será um pouco diferente. Romperemos as barreiras do tempo e do espaço e nos teletransportaremos até a Argentina da década de 1970 para conhecer o power trio Color Humano.

Ao trio pertenceram o baterista David Lebón, o contrabaixista Rinaldo Rafanelli e o guitarrista e vocalista Edelmiro Molinari. Entre os anos de 1972 e 1974 lançaram seus três discos homônimos, Color Humano 1, 2 e 3. Ao longo desses trabalhos, o reproduziram com exímia destreza seu blues-rock com um pé na música progressiva e psicodélica de seu tempo. Infelizmente separaram-se em 1974. Porém, mesmo com o curto período em atividade e com a pequena discografia, deixaram como legado sua música belíssima.

Os três álbuns soam como um grande álbum triplo. Em cada um deles ouvimos a constante evolução sonora e a expansão do Universo musical de uma banda que beira a genialidade. Em Color Humano 1 mergulham profundamente nos mares do bom e velho Progressive Rock. A suavidade acústica de “Padre Sol, Madre Mar” e da instrumental “Despues del Hachazo” se destacam bastante. Além disso ouvimos uma linda mescla de rock blues e progressivo executada com maestria no restante desse álbum. Inclusive, “Silbama, Oh Cabeza!” e “Larga Vida al Sol” são duas das melhores do trio.

Em Color Humano 2 o blues já está mais presente na identidade sonora do trio e domina a maioria das faixas. Chama a atenção a qualidade dos riffs e também o entrosamento dos três instrumentos, que juntos soam em perfeita harmonia. A evolução sonora em relação a seu antecessor é absurda e aqui observamos a banda em um estágio superior de qualidade. Cada instante é impecável, muito bem orquestrado e belíssimo em sua simplicidade. “Humanoides” e “Va a Salir un Lugar” arrepiam com suas atmosferas densas, carregadas e inflamáveis. “Sangre del Sol” e “Pascual Tal Cual” são excelentes. “Un Blues para Adelina” fecha o álbum com toda sua força sentimental arrebatadora. Um álbum estupendo.

Color Humano 3 é o ápice de toda a discografia. Aqui entramos em contato com o que de melhor o grupo tem para apresentar nas canções progressivas longas e cheias de dinamismo, nos blues-rocks de riffs pegajosos e solos arrepiantes. Assim como em seu antecessor, a evolução musical é nítida e marcante. A qualidade desse trabalho está um nível acima dos anteriores e essa diferença se mostra nítida em “Hombre de las Cumbres”, “Cosas Rústicas” e na sensacional “Hace Casi 2000 Años”.

Toda a magia de um bom power trio encontra-se em Color Humano. Seu rock’n’roll cantado em espanhol traz um charme diferente à sua arte. Em sua discografia descobrimos um tesouro lapidado ao longo de três belíssimos álbuns. Uma recomendação especial aos fãs de The Jimi Hendrix Experience, Cream e do Rock Progressivo.

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Descubra: Color Humano, um tesouro argentino

  1. Pingback: A cativante mistura do folk de Ryley Walker | O Sessentista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s