Alternative Rock, Álbuns Clássicos

20 anos de The Bends, segundo álbum do Radiohead

the bends2

Por conta de sua contribuição para a música contemporânea, o Radiohead é hoje considerado um dos grupos mais influentes das últimas décadas, principalmente por conta de trabalhos como “Ok Computer” (1997) e “Kid A” (2000), considerados por qualquer pessoa sensata dois dos principais lançamentos da história da música.No início de sua carreira, no período que podemos chamar “pré-OK Computer”, o grupo ainda não havia chegado ao nível de seus principais trabalhos, mas, já começava a apresentar as características que lhe seriam marcantes. Foi nesse contexto que em 1995 foi lançado o álbum “The Bends”, que veio para suceder o debut “Pablo Honey”. Recheado de hits inesquecíveis, “The Bends” mostra a evolução já considerável de uma banda que, a partir dali, romperia, a cada trabalho, com suas próprias fronteiras musicais, desafiando a si mesma e aos ouvintes a expandirem seus universos musicais.

Para muitos, esse é o primeiro trabalho importante do Radiohead, e, cá entre nós, aqueles que isso dizem não estão com um parafuso a menos. Enquanto “Pablo Honey” traz uma série de leves canções brit-pop com uma pitada de distorção, “The Bends” toca na ferida, mexe com os sentimentos, traz canções densas, carregadas de lirismo, onde as incendiárias guitarras de Ed O’Brien e Jonny Greenwood trazem seu fogo consumidor e purificador aos nossos ouvidos.

Sendo o motor de propulsão de todo o complexo mecanismo que forma o Radiohead, as guitarras são protagonistas em cada uma das doze canções. É o que podemos observar principalmente em “Just”, “Bones”, “Street Spirit (Fade Out)” e “Planet Telex”. Contrastando com esses momentos de pulsante e distorcida vibração, encontramos “(Nice Dream)” e “Bullet Proof… I Wish I Was”, onde entramos em contato com a suavidade e a delicadeza que cada nota de cada instrumento traz ao criar tais atmosferas convidativas, cativantes.

Salvo as exceções, todo álbum marcante possui um grande hit, e “The Bends” traz em sua tracklist dois dos maiores sucessos de toda a riquíssima e bem-sucedida carreira da banda. São esses “Fake Plastic Trees” e “High and Dry”, que, de tão grandes, podem ser reconhecidos por ouvidos que nem sequer reconheceriam Radiohead. São duas canções que, ao lado de “Creep” marcam e caracterizam essa primeira fase constituída pelos dois primeiros lançamentos. São sucessos que deram à banda a visibilidade mais que merecida dentro e fora do Reino Unido.

Mesmo estando longe das listas de melhores momentos da carreira da banda formada por Thom Yorke, Jonny Greenwood, Ed O’Brien, Colin Greenwood e Phil Selway, “The Bends” merece ser relembrado por simbolizar o desprendimento da musicalidade presente em “Pablo Honey” e mostrar as bases daquilo que viria a se tornar o bombástico “Ok Computer”.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s